Dia das Bruxas ou dia sagrado?

O espírito do Halloween conquistou definitivamente o Brasil, mesmo contra a vontade de alguns puristas que torcem o nariz para a importação de costumes. Já eu tendo a ver esse fenômeno com a mesma naturalidade com que nós brasileiros consumimos macarronada ou sushi: nenhuma cultura é impermeável ao empréstimo de práticas, costumes ou palavras. Tanto que a designação “Halloween” é mais popular entre nós do que “Dia das Bruxas” (uma pesquisa ao Google em português retorna mais de um bilhão de ocorrências da primeira contra 1,14 milhão da segunda).

Mas de onde veio essa denominação? Halloween (ou Hallowe’en, como também se escreve) é uma corruptela do inglês All Hallow Even, “Véspera de Todos os Santos”. É que o Dia das Bruxas cai na véspera do Dia de Todos os Santos (1º de novembro) e na antevéspera de Finados. Even é a forma arcaica de evening, “noite”, cognata de eve, “véspera” (isto é, a noite anterior, do latim vesper, “tarde, anoitecer, noitinha”). E hallow quer dizer “santo” na língua escocesa (sim, existe uma língua escocesa, chamada Scots, tida por muitos como um dialeto do inglês).

Em inglês, hallow subsiste apenas como o verbo “santificar”, cognato do alemão heiligen, de mesmo significado. E todos esses termos radicam no indo-europeu *koilos, “íntegro, intacto, puro” e, por extensão, “sagrado”, termo que também gerou o latim coelum, “céu”.

Quanto à intimidadora frase “Doces ou travessuras!”, pronunciada pelas crianças fantasiadas de bruxos ao bater à porta das casas, trata-se de uma tradução do inglês Trick-or-treat, brincadeira em que as crianças vão de casa em casa pedindo doces. Se o morador disser treat, isto é, “guloseima”, deve atender ao pedido das crianças, dando-lhes doces; se disser trick, “travessura”, deverá arcar com as consequências, que podem ir de um simples susto com as caretas e máscaras dos pequenos até transtornos como ter a fachada da casa recoberta de papel higiênico ou de spray de espuma colorida.

Como a expressão inglesa Trick or treat! contém uma deliciosa aliteração, o mais adequado em português seria usarmos “Gostosuras ou travessuras?”, que, pelo jeito, não pegaria por ser muito longa.

O fato é que não importa se essa tradição nos chegou por via norte-americana, o que importa é que veio para ficar e tem proporcionado muita alegria às crianças – afinal quem não gosta de ganhar doces?

Anúncios

Palavras estrangeiras inventadas em português

Parece incrível, mas no Brasil se inventam palavras… estrangeiras! Isso mesmo, não só enriquecemos constantemente o acervo léxico do português – e fazemos isso bem mais do que Portugal – graças às nossas gírias e às nossas mazelas (fumódromo, valerioduto, mensalão, petrolão, presidenciável, bolsa-estupro, brasiguaio são só alguns exemplos), como também empregamos termos estrangeiros com significado insuspeitado pelos legítimos criadores dessas palavras.

Na França, por exemplo, bombonnière é uma caixinha, geralmente de prata ou outro metal nobre, para guardar bombons; no Brasil, virou loja de doces. O cartaz publicitário de rua que conhecemos por outdoor em inglês se chama billboard. E game, que no Brasil é redução de videogame (isto é, videojogo), nos países de língua inglesa é qualquer jogo – futebol inclusive.

Alguns vocábulos têm história mais complexa. Handicap, que em inglês quer dizer “desvantagem, deficiência” (handicapped, por sinal, é “deficiente físico”), aqui no Brasil assumiu o sentido de vantagem, diferencial positivo. É que havia originalmente na Inglaterra um jogo de cartas chamado hand in cap (mão no gorro) em que se costumava esconder a mão dentro de um gorro ou boné para ocultar as cartas, especialmente se não se tinha uma combinação muito vantajosa (é o famoso blefe). A partir daí, passou-se a usar o termo handicap para designar competições em que alguns concorrentes, por ser mais fracos que os demais, começavam a prova já em vantagem. Portanto, vem daí a confusão entre o sentido original de “deficiência” e o de “vantagem”. Só que, nos países de língua inglesa, handicap é sempre deficiência, nunca vantagem. (Uma curiosidade: a própria palavra “vantagem”, do francês avantage, deriva de avant, isto é, sair em vantagem era dar a largada numa corrida já à frente dos demais.)

Outro termo bastante usado hoje em dia para denominar diferenciais positivos é plus (“Fazer esse curso pode dar um ‘plus’ na sua carreira”), de onde saiu o horrível pleonasmo “um ‘plus’ a mais”.

O universo da moda também é pródigo em palavras estrangeiras que ganharam novo significado entre nós. Exemplo disso é o termo fashion usado como adjetivo para designar o que está na moda (“Este batom é ‘fashion’”, “Comprei uma blusa super ‘fashion’”), quando em inglês, na mesma situação, se diz que algo é in (redução de in fashion, “na moda”).

Outra expressão típica da moda é “dar um up”, isto é, elevar a autoestima por meio de uma roupa ou maquiagem fashion. Não há em inglês nada parecido com give an up.

No Brasil, wafer é tanto o biscoito doce de massa fina, em geral recheado de creme, quanto aquele em forma de favo, que se come com doce de leite ou mel, e que muitos chamam de favo holandês, embora se origine da Bélgica. Só que, em inglês, o primeiro é realmente wafer, enquanto o segundo na verdade se chama waffle. Quem chamar waffle de wafer no exterior cometerá uma gafe.

Porém, o mais chocante são palavras estrangeiras usadas correntemente no Brasil e que efetivamente não existem em outras línguas – nem na suposta língua original. É o caso do nosso amado chope, que os bares em sua maioria ainda grafam chopp para ser mais fiéis às raízes germânicas da bebida. O problema é que essa palavra não existe em alemão. O que há é Schoppen, que significa “copo pequeno”. Ou seja, o nome do tipo de copo que se usa para beber cerveja tirada do barril (em alemão, Fassbier, Bier im Fass ou ainda Schoppenbier) virou no Brasil o próprio nome da bebida – e com uma tremenda deformação gráfica!